PROCURE SABER AGORA SE DIZ CONTRA CENSURA PRÉVIA

Associação Procure Saber

Associação Procure Saber

A associação Procure Saber, que reúne músicos como Roberto Carlos, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Chico Buarque, divulgou nesta terça-feira um vídeo em que reconhece ter adotado uma posição radical em relação às biografias não autorizadas. O grupo afirma que não quer censura prévia e que confia no Poder Judiciário para encontrar uma forma de “conciliar o direito constitucional à privacidade com o direito, também fundamental, de informação”.
O vídeo, editado por João Daniel Tikhomiroff, conhecido por seu premiado trabalho em publicidade e diretor do longa “Besouro”, traz depoimentos de Roberto, Gil e Erasmo Carlos durante quase cinco minutos.
“Quando nos sentimos invadidos, julgamos que temos o direito de nos preservar e, de certa forma, preservar todos os que de alguma maneira não têm, como nós temos, o acesso à mídia, ao Judiciário, aos formadores de opinião”, diz Gil, que completa: “Nunca quisemos exercer qualquer censura; ao contrário, o exercício do direito à intimidade é um fortalecimento do direito coletivo. Só existiremos enquanto sociedade se existirmos enquanto pessoas”.
“Se nos sentirmos ultrajados, temos o dever de buscar nossos direitos. Sem censura prévia. Sem a necessidade de que se autorize por escrito quem quer falar de quem quer que seja”, afirma Erasmo.
Logo depois, Roberto diz: “Não negamos que esta vontade de evitar a exposição da intimidade, da nossa dor, ou da dor dos que nos são caros, em dado momento nos tenha levado a assumir uma posição mais radical”.
E Gil pondera: “Mas a reflexão sobre os direitos coletivos e a necessidade de preservá-los, não só o direito à intimidade, à privacidade, mas também o direito à informação, nos leva a considerar que deve haver um ponto de equilíbrio entre eles”.
A associação sustenta que não abre mão do direito à privacidade e à intimidade, mas defende que quer “afastar toda e qualquer hipótese de censura prévia”.
“Queremos, sim, garantias contra os ataques, os excessos, as mentiras, os aproveitadores”, diz Gil, completando: “O debate nos faz bem, nos amadurece, nos faz mais humanos, mais humildes. Agradecemos a todos os que se expuseram conosco, que tiveram suas vidas expostas em nome de uma ideia e que por isto foram chamados de censores”.
Roberto defende que o grupo prega a liberdade e o direito às ideias: “O direito de sermos cidadãos que têm uma vida comum, que têm família e que sofrem e amam, às vezes a dois ou na solidão, sem compartilhar com todos, momentos que são nossos”.
E Gil conclui: “Não queremos calar ninguém. Só queremos o que a Constituição já nos garante, o direito de nos defender e nos preservar”.
O vídeo termina com Roberto Carlos dizendo: “Não queremos calar ninguém, mas queremos que nos ouçam”.
Em Brasília, os presidentes da Câmara e do Senado, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e Renan Calheiros (PMDB-AL), defenderam a aprovação do projeto de lei que libera biografias não autorizadas. O projeto deve ser votado na semana que vem.

(Fonte: O Globo)

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0 (from 0 votes)
Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

34.523 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress