Arquivos mensais: julho 2016

NO DIÁLOGO LITERÁRIO

Semântica

VERBOS DICENDI

São os verbos de elocução. A elocução refere-se à maneira pela qual alguém se expressa, quais palavras usa para fazê-lo.
Alguns exemplos de verbo dicendi:
DIZER – afirmar, declarar;
PERGUNTAR – indagar, interrogar;
RESPONDER – retrucar, replicar;
CONTESTAR – negar, objetar;
CONCORDAR – assentir, anuir;
EXCLAMAR – gritar, bradar;
PEDIR – solicitar, rogar;
EXORTAR – animar, aconselhar;
ORDENAR – mandar, determinar.
Os verbos dicendi no diálogo literário são sempre escritos com letra minúscula depois do segundo travessão. E antes do segundo travessão a frase termina sem o ponto final. Pontue o final da frase somente se ela exigir um ponto de exclamação ou de interrogação.
Exemplo:
– Eu te amo – disse, consternado.
– Eu te amo! – disse, consternado.
– Eu te amo! – bradou.
– Eu te amo? – questionou.

Observação importante!
Os verbos que indicam ação da personagem devem ser escritos com letra maiúscula depois do segundo travessão. E a frase antes do segundo travessão é pontuada.
Exemplos:
– Eu te amo! – Sorriu e se levantou após a declaração.
– Sei muito bem como é a vida. – Bateu palmas e depois saiu.
– Irene nunca vem quando chamo. – Virou as costas e deixou a sala.
– Sério isso! Muito sério! – Gargalhou alto.
– Caiu mesmo? – Estendeu a mão e ajudou a amiga a levantar-se.

 

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: +1 (from 1 vote)
Share Button

SEGREDO

bolinha

O meu coração não é de aço,
A minha dor não tem compasso,
A estrada é longa e eu me canso,
Está escuro e tenho medo,
Mas vou te contar um segredo:

O amor é minha sina,
Está onde o meu eu começa e termina…
E mesmo que ele se esconda,
Mesmo que não se renda,
Sempre será parte da minha vida.

(Elaine Elesbão)

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0 (from 0 votes)
Share Button

ENGODO

download

Quando achei que era impossível,
você me fez crer que bastava querer…
Então, eu quis…

Quando pensei que seria difícil,
você me disse que eu só precisaria
segurar a sua mão…
Então, segurei!

Quando senti medo do rumo da história,
você me contou que já sabia o enredo…
E resolvi ajudá-lo a escrever!

Mas você se esqueceu de me explicar as regras…
Que não são poucas.
Querer não basta, confiar não supre…
Toda doação é mínima.
E me encontro sempre tentando ser
quem você deseja ver em mim…

Eu sou essa pessoa que você diz que ama.
E que ao mesmo tempo o desagrada tanto.
Antes que tudo perca o encanto…
Apago a luz.
Fecho as portas.
Caminho de volta pra mim.

O que eu quero é não mais querer.
A minha mão foi feita pra segurar a pena.
As histórias que escrevo são sobre os outros…
O meu porto seguro sou eu.

(Texto de Elaine Elesbão)

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0 (from 0 votes)
Share Button